Polícia Civil

Estado de Sergipe

5 de janeiro de 2024, 11:22

Taxa de homicídios despenca de 57 para 20 mortes por 100 mil habitantes em Sergipe, aponta Segurança Pública

RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

Em números absolutos, pelo menos 858 vidas foram preservadas em comparativo entre 2016, ano de alta nos índices de criminalidade, e 2023

Como resultado do trabalho de mapeamento da criminalidade e operações das forças de segurança pública, Sergipe saiu de 57 para 20 mortes por 100 mil habitantes em comparativo entre 2016 e 2023. O dado por 100 mil habitantes permite a comparação entre territórios de países e estados com diferentes populações. Ou seja, é a quantidade de crimes que ocorreram para uma amostra de 100 mil pessoas. O dado foi identificado pela Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEACrim), da SSP, e foi divulgado em entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira, 5.

De acordo com o levantamento feito pelo CEACrim, em 2016, quando houve alta nos índices de criminalidade em Sergipe, a taxa de homicídios dolosos foi de 57,64 mortes por 100 mil habitantes. O dado indicava que, a cada 100 mil pessoas, pelo menos 57 foram mortas em homicídios em que os autores tinham a intenção de cometer o crime.

Oito anos depois, o ano de 2023 foi encerrado com uma redução de 64,8% na taxa de homicídios dolosos em Sergipe. O ano passado foi concluído com uma taxa de 20,28 crimes desse tipo a cada 100 mil habitantes. Ou seja, em 2023, em torno de 20 pessoas foram mortas em homicídios dolosos a cada 100 mil habitantes.

Conforme o coordenador de estatística da SSP, Sidney Teles, a diminuição da taxa de homicídios em Sergipe é fruto do mapeamento dos índices criminais. “É um trabalho diário. Todo dia mandamos essas informações para os comandos e toda semana nos reunimos para discutir esses dados. A partir daí, as estratégias e políticas públicas de segurança pública são implementadas”, explicou.

De acordo com o comandante da Polícia Militar, coronel Alexsandro Ribeiro, o resultado é bastante positivo para a segurança pública de Sergipe. “E isso tem nos levado ao resgate da sensação de segurança em nosso estado. Apreendemos, em 2023, 740 armas de fogo, então, se esses armamentos representam 78% do instrumento utilizado nos homicídios, são mais vidas preservadas”, ressaltou.

Neste trabalho de combate à criminalidade que repercute na diminuição das taxas de homicídios está a atuação da Polícia Científica, assim como descreveu o coordenador de perícias, Nestor Barros. “Nossa participação é muito importante, realizando perícias em armas e drogas. Com os laudos encaminhados à Polícia Civil e à Justiça, temos a prova técnica de que o crime aconteceu e norteamos a investigação”, detalhou.

Para o delegado-geral, Thiago Leandro, é essa atuação da perícia que também robustece as investigações, resultando na diminuição dos homicídios em Sergipe. “As nossas perícias feitas pela Polícia Científica de Sergipe estão com uma qualidade fantástica e estamos conseguindo prender de forma efetiva os autores dos crimes contra a vida, a exemplo dos homicídios”, enfatizou.

Número de homicídios

Segundo o levantamento feito pelo CEACrim, há oito anos Sergipe enfrentava um cenário de alta nos índices de criminalidade, apresentando números que assustavam a população e que eram destaque negativo a nível nacional. Em 2016, foram registrados 1.306 homicídios dolosos. Oito anos depois, em 2023, foram registrados 448 homicídios dolosos, representando uma retração de 65,7% na quantidade de homicídios dolosos.