Polícia Civil

Estado de Sergipe

31 de janeiro de 2024, 08:58

Polícia Civil investiga desaparecimento de mulher de Itabaiana encontrada em Canindé de São Francisco

RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter

Investigada foi encontrada no último dia 27 de janeiro, pela Polícia Militar

A Delegacia Regional de Itabaiana apura as circunstâncias que cercam o desaparecimento de uma mulher encontrada no sábado, 27, no município de Canindé de São Francisco, após ficar desaparecida por cerca de 18 dias. Investigações das Delegacias de Itabaiana e Canindé de São Francisco mostram que a suspeita teria forjado o próprio sequestro, podendo responder pelos crimes de comunicação falsa e denunciação caluniosa.

No dia 13 de janeiro, a mãe da investigada registrou na Delegacia Regional de Itabaiana um boletim de ocorrência, informando que a filha teria saído de casa, no município serrano, no dia 9 de janeiro, e até aquele momento não havia retornado.

No dia 20 de janeiro, a Polícia Civil recebeu a informação de que a suposta vítima enviou uma mensagem para o filho, alertando que teria viajado para Canindé de São Francisco, em busca do ex-namorado, e estava correndo perigo.

A Polícia Civil diligenciou e intimou o ex-namorado da desaparecida, que compareceu à Delegacia de Itabaiana e informou que a última vez que tinha tido contato com a mulher foi em novembro de 2023.

Já em 24 de janeiro de 2024, o homem voltou a ser ouvido e sustentou a fala, informando que seguia sem falar com a ex-namorada. O delegado pediu que o homem telefonasse para a mulher e enviasse e-mail naquele exato momento, sendo prontamente atendido, mas sem êxito em contatar com a então procurada.

No sábado, dia 27 de janeiro, o 4º Batalhão de Polícia Militar (4º BPM) recebeu a informação de que uma mulher estava sendo mantida em cárcere numa região de mata no município de Canindé de São Francisco. Até então vítima, foi localizada a partir do sinal do celular e encaminhada ao Hospital Municipal de Canindé de São Francisco, onde recebeu os primeiros socorros.

Ao tomar ciência de que a mulher tinha sido encontrada, o delegado de Itabaiana, Edvânio Dantas, identificou sinais de uma possível fraude e pediu o apoio do delegado de Canindé de São Francisco, Douglas Lucena, que foi ao hospital onde a suposta vítima estava e colheu o depoimento do médico que ofereceu os primeiros socorros.

Ainda no decorrer da apuração policial, várias imagens de câmeras de segurança foram recolhidas e analisadas, o que permitiu identificar que ela circulava em estabelecimentos comerciais, mesmo durante o período dos supostos desaparecimento e sequestro.

“Fomos informados pelo delegado responsável pela investigação de desaparecimento sobre possíveis incongruências no caso. Diante dessa informação, fomos ao hospital e conversamos com o médico que atendeu a suposta vítima do sequestro. O médico nos relatou situações que chamaram a sua atenção”, explicou o delegado Douglas Lucena, de Canindé de São Francisco, município onde a mulher estava.

“Segundo a jovem, o cativeiro era em local a céu aberto, na cidade de Canindé, onde ela estava exposta ao sol e à noite e, durante os 15 dias, ela ficou sem nenhuma alimentação, porém não tinha nenhum sinal de desidratação e não existiam sinais de picadas de mosquito e sequer insolação em sua pele. Inclusive, não existiam os hematomas que configurassem a narrativa apresentada pela jovem, de que foi mantida amarrada pelas pernas e mãos durante os 15 dias pelo namorado”, relatou o delegado Edvânio Dantas, lotado na Delegacia Regional de Itabaiana e que está à frente das investigações.